Conheça o Jogador: Dudu Capitão da BGH

Você com certeza já ouviu falar do Dudu da BGH.

Talvez você tenha lido algo sobre um dos vários campeonatos que ele já participou.

Talvez você tenha visto ele sendo o ganhador da categoria técnica de “Melhor atleta de Overwatch” do Prêmio eSports Brasil.

Se você se interessou em acompanhar o cenário de Overwatch recentemente por causa da Contenders, pode ser que você tenha ouvido falar dele.

Principalmente agora, já que a Brasil Gaming House (BGH), time do qual ele é capitão é um dos mais fortes do grupo A do campeonato aqui da América do Sul.

Mas você já ouviu falar sobre o Eduardo Martins Macedo Pinto?

No “Conheça o Jogador” de hoje você vai saber tudo sobre a trajetória até os dias atuais do jogador consagrado como melhor atleta de Overwatch brasileiro em 2017.

O Início de um Campeão

Nascido em 06 de janeiro de 1994 em Porto Alegre - Rio Grande do Sul, a história de Eduardo "Dudu" Macedo não parecia ter intenções de tomar o rumo que tomou.

Quando era pequeno dividia seu tempo entre a escola e alguns joguinhos que ele tinha em disquete. (Eu nem lembrava que isso existia)

Antes de Overwatch jogava com frequência Dota 2, Counter Strike e também Team Fortress 2.

Mas nunca havia pensado em se tornar um jogador profissional de fato.

Na BlizzCon de 2014 Overwatch teve seu anuncio realizado.

Milhões de pessoas acompanharam as transmissões e o Dudu foi uma delas.

Junto com alguns amigos, jogou desde a beta do jogo e a partir daí uma história de vitórias, derrotas, expectativas e uma evolução incrível vem acontecendo.

Atualmente carregando diversos títulos pela BGH, Dudu divide seu tempo entre treinar, jogar em campeonatos, tocar violão/guitarra.

E mesmo com uma história ainda no início, mas já cheias de vitórias e muito crescimento, ele diz "ser ruim no joguinho".

dudu-brasilgaminghouse

A Passagem pela Black Dragons

Através da indicação de um amigo Dudu entrou para a Black Dragons.

Considerada ainda hoje uma das maiores organizações de E-sports do nosso país.

Junto com ele Neilzinho, Alemão, Likera, Wanka e Krepsker entraram também.

A nova line de Overwatch foi anunciada oficialmente ao público no dia 07 de Julho de 2016.

dudu-eduardo-macedo-blackdragons-line-overwatchFonte/Reprodução : Black Dragons

Pela Black Dragons, Dudu ajudou na conquista da vitória em vários campeonatos:

  • Liga Brasileira de Overwatch 2016.
  • OGS Overwatch 2016.
  • Nvidia GTX Challenge 2016.
  • Rei do Abate 2016.
  • DVM Overwatch Cup 2016.
  • MVP League 2016.
  • Old Spice Tournament 2017

Ainda se classificaram para o Premier League de Overwatch da ESL Brasil, mas não chegaram a participar efetivamente do campeonato por que mais uma fase dessa história estava para começar.

O último campeonato que o Dudu jogou pela Black Dragons foi o Old Spice Tournament.

Onde foi campeão junto com a sua equipe faturando 20 mil reais como premiação.

Logo em seguida no dia 12 de Março de 2017 foi oficialmente anunciado pela Black Dragons que a line de Overwatch estava deixando a organização por terem recebido uma proposta melhor.

A Entrada Oficial de Dudu na Brasil Gaming House (BGH)

Na mesma data (12.mar.2017) a Brasil Gaming House anunciava oficialmente suas novas contratações e obviamente Dudu foi uma delas.

primeiraline-bgh-brasilgaminghouse-duduFonte/Reprodução: BGH

A estreia oficial do Dudu como jogador pela BGH foi no Alienware Monthly Melee de 2017.

Apesar dos primeiros resultados não terem sido dos melhores, com certeza a experiência valeu a pena para o time.

Perderam na fase de grupos, mas ganharam do Run Away que na época era vice campeão da Apex.

estreia-bgh-dudu-eduardo-brasilgaminghouseFonte/Reprodução: BGH

O que era apenas mais um dos joguinhos que ele usava para passar o tempo, acabou se tornando sua profissão.

Dudu levou um tempo pra admitir pra si mesmo que era de verdade um jogador profissional.

A família inicialmente ficou um pouco receosa com o caminho em que ele estava começando a trilhar e sugeriram algumas vezes que ele tivesse outros afazeres além de jogar.

Infelizmente no Brasil ser um jogador profissional de E-sports é bem complicado.

Os investimentos ainda são baixos se comparados com os investimentos que vemos no exterior.

Os times normalmente não tem muitos recursos, a internet do país não ajuda muito e para piorar o retorno financeiro não é lá aquelas coisas.

No início não dá realmente pra se manter financeiramente apenas sendo um jogador profissional.

Tanto para o Dudu, quanto para a família, a ficha só caiu mesmo quando ele junto com o seu time começou a vencer campeonatos, receber as premiações e fazer viagens com certa frequência para poder participar desses campeonatos.

Diferente de outros jogadores, Dudu seguiu apenas seu próprio caminho.

Não se inspirou em outros jogadores para tomar a sua decisão de ser um profissional.

A verdade é que quando a oportunidade aparece no seu caminho e você além de saber aproveitar ainda tem habilidades que podem te ajudar, você não precisa ver outros reflexos para poder se espelhar.

Você só precisa ser você mesmo e fazer sempre com empenho o que você sabe fazer de melhor.

A Ascensão de Dudu na BGH

Aparentemente ter mudado de time fez muito bem ao Dudu.

Só no último ano ele vem acumulando uma série de bons resultados e muitas vitórias pela BGH.

Só tem 2017 a lista foi grande:

  • Monthly Melee March  - Fase de grupos.
  • BGC Rio - 1º Lugar.
  • Última Arena - 1º Lugar.
  • Logitech Challenge - 1º Lugar.
  • Open Division Season 1 - 1º Lugar.
  • SA OW Circuit Season 2 - 2º Lugar.
  • Hammer Down Season 1 - 2º Lugar.
  • Hammer Down Season 2 - 2º Lugar.
  • SA OW Circuit Season 3 - 1º Lugar.
  • Overwatch Campeonato Brasileiro Season 1 - 1º Lugar

Para acompanhar todos os campeonatos e eventos em que a BGH está participando, você pode ficar de olho na página oficial do time no Facebook.

Claro que ainda tem muito campeonato pela frente e para trazer bons resultados para a BGH, Dudu e o time se preparam muito bem.

São 4 a 6 horas de treino de segunda a sexta-feira, alguns campeonatos acontecem aos final de semana, então a rotina do Dudu é jogar praticamente de segunda a segunda.

Boa parte dos campeonatos não são presenciais.

Além dos treinos que obviamente ele faz do seu PC em casa, alguns campeonatos ele também joga no seu próprio "cantinho".

E se você acha que pra ser um pró-player você precisa de uma super máquina com as mesmas configurações das máquinas que a NASA teria, você está bem enganado.

Dudu tem uma máquina com configurações bem comuns.

  • Processador I7 6600.
  • 16 GB de ram.
  • Placa de vídeo evga 1070 FTW.

dudu-bgh-pc-maquina-configuracoes

Apesar de não ter certeza se é isso que vai ser para o resto da vida, ele mantem expectativas de que o cenário competitivo de Overwatch cresça bastante nos próximos anos.

Mas ele acredita que o que vai definir o crescimento do cenário é o que vai ocorrer neste ano (2018).

Tendo em vista que tivemos recentemente a primeira Temporada da Open Division e agora estamos no início da Contenders.

Copa Mundial de Overwatch

Ainda em 2017, Dudu ainda recebeu a missão de ser o capitão da seleção brasileira de Overwatch na Copa Mundial.

Realizada no mês de Agosto em Santa Mônica - Califórnia, direto na Blizzard Arena.

O que convenhamos não é pra qualquer um.

Algumas figuras importantes da comunidade de Overwatch entre casters, streamers e youtubers foram indicados para uma votação direto no site oficial da Blizzard que decidiria quem seriam os membros do comitê brasileiro.

Eram essas pessoas que decidiriam quem seriam os representantes da seleção brasileira no mundial.

Vinicius "Pokis", Zanquetta Costa, Orisques "Cooruja" Batistim e Felipe "Baba1u" Soares foram escolhidos pela comunidade de Overwatch como membros do comitê.

Dudu e seu time foram escolhidos a dedo pelo comitê brasileiro da copa mundial por diversos motivos.

Mas em declaração exclusiva ao Coja no Overwatch, Dudu comenta um pouco sobre o que ocorreu durante a Copa.

dudu-copamundialoverwatch-bgh-dudunabgh-dudu-na-bgh Fonte/Reprodução: pOkiz - Da direita para a esquerda: Pokis (membro do comitê brasileiro) Alemão, Dudu, Filipe (Responsável pela BGH) Murizz, Neilzinho, Liko, Kolero, Insanityz.

CnO: Sobre a experiencia da Copa.
Quais eram suas reais expectativas antes de ir?

Dudu: A gente realmente saiu daqui achando que passaria da fase de grupos tranquilamente.

Obviamente não foi o caso, chegamos lá e vimos que não ia ser bem desse jeito.

Ainda acho que a gente deveria ter passado da fase, mas infelizmente sentimos a pressão lá e não jogamos nem 10% do que poderíamos.

CnO: Você acha que foi apenas a pressão que afetou o time ou você acha que realmente faltou preparação?

Dudu: A cena sul americana naquela época era bem fraca, éramos disparadamente o melhor time daqui.
Não tínhamos muitos times bons pra treinar, mas mesmo assim foi muito mais não termos jogado bem lá, do que qualquer outra coisa.

CnO: Qual foi sua ação como capitão quando você percebeu que não conseguiriam passar da fase de grupos?

Dudu: (Risadas) Meu título de capitão é muito mais para eu fazer a parte burocrática de dar entrevista. 

Sempre que o time está meio mal, tem um que puxa o time pra cima.

Só vai depender da vez...

Mas lá acabou que ninguém fez isso, apenas aceitamos o que estava acontecendo.

CnO: E como foi receber as críticas na volta?

Dudu: Então na verdade eles (comunidade do jogo) sentaram o pau em todos nós.

Pra ser sincero, sentamos no quarto do hotel ficamos lendo e dando risada, porque 99% das críticas nem mesmo faziam sentido.

Não vou negar que é bem chato... Ver todo mundo te chamando de horrível e falando que o nosso time era ruim.

CnO: Você acha que o time se abalou de alguma forma nos campeonatos seguintes devido as críticas?
Vocês realmente chegaram a se sentir fracos?

Dudu: Não, chegamos meio desanimados por termos perdido, mas não por termos sido criticados.

Saímos daqui sabendo que se perdêssemos, todos falariam mal gente.

Então já estávamos preparados. 

CnO: O que você adquiriu como conhecimento dessa experiência?
Por exemplo, se vocês forem para a copa este ano, o que você acha que faria diferente para tentar um resultado melhor?

Dudu: Acho que iria com os pés um pouco mais no chão e não criaria tanta expectativa.

Iríamos fazer o nosso do melhor jeito possível.

CnO: Você acha que levar um time completo foi uma boa escolha do comitê?
Ou talvez seria melhor fazer como no futebol e pegar os melhores jogadores de outros times para formar a seleção?

Dudu: Eu acho que a situação do nosso cenário na época valia um time. Tínhamos apenas 3 times.

Se tirassem 2 players de cada, a seleção não teria com quem treinar e o nosso time era infinitamente superior a qualquer line que tentassem montar.

Todo mundo sabia disso.

Tanto que no cenário competitivo ninguém questionou, apenas apoiaram a ideia.

Quem não gostou foi o pessoal de fora.

Hoje em dia ainda acho válida a ideia de levar um time inteiro, até por que o cenário continua sem players muito bons.

A verdade é que teriam no máximo 10 a 12 pessoas que tem habilidade suficientes para ir para uma copa do mundo.

Na época o time foi muito criticado pelo desempenho na copa, canais do You Tube, sites e blogs fizeram diversas matérias sobre o assunto incluindo críticas pesadas ao time.

Pelo que o Dudu nos contou com exclusividade na entrevista, ele tirou essa fase de letra junto com o time e continuaram em frente.

A BGH fez vlogs sobre a viagem e o campeonato nos Estados Unidos e você pode conferir tudo o que rolou no canal oficial da BGH no Youtube.

 

Prêmio E-Sports Brasil

Dudu ainda está apenas no início de sua carreira como pró-player, mas já tem um prêmio de peso no currículo.

Em 2017 aconteceu o primeiro Prêmio eSports Brasil e Dudu foi um dos indicados para a categoria técnica de melhor atleta de Overwatch.

Um júri especializado indicou livremente diversos nomes para a categoria.

Os 8 mais votados foram para votação do público, em seguida o júri elegeu os finalistas e anunciaram o vencedor na premiação.

Sobre a premiação Dudu se mostrou muito surpreso.

dudu-melhor-atleta-overwatch-premio-esports-brasil

CnO: Sobre o prêmio de melhor atleta de Overwatch.
É uma categoria técnica da premiação, como aconteceu? Você esperava ganhar?

Dudu: Eu não esperava chegar nem entre os 3 finalistas. 

Foi uma surpresa pra mim.

CnO: Quando você anunciado como vencedor, assistindo o vídeo aparentemente você hesitou em levantar para ir receber o prêmio.
Deu uma travada na hora? O que aconteceu?

Dudu: Eu fico nervoso em frente as câmeras e do público. Aí eu acabo fazendo essas coisas (risos)

Você pode conferir o momento em que Dudu foi anunciado como vencedor da categoria aos 21 segundos de vídeo.
 

CnO: Você sente que agora existe uma pressão em cima do seu desempenho individual no jogo por ter ganho o prêmio?

Dudu: Não, a maioria das pessoas nem sabem que eu ganhei esse prêmio, só quem joga mesmo.

Acho que podemos mudar isso e espalhar que temos na Brasil Gaming House o melhor atleta de Overwatch do Brasil, não é mesmo?

Afinal, jogador bom tem mais é que ser enaltecido mesmo!

Se já no início da carreira como pró-player Dudu já tem tantos feitos dignos de muito reconhecimento, o futuro dele parece promissor não é mesmo?

 

 

Para conferir a história de todos os jogadores da BGH é só ficar ligado aqui no Coja no Overwatch!

Nos vemos em breve!

Itekimasu!